cover
Tocando Agora:

O setembro amarelo

O Centro de Valorização da Vida

O setembro amarelo
O setembro amarelo (Foto: Reprodução)

O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a iniciativa acontece durante todo o ano. Atualmente, o Setembro Amarelo® é a maior campanha anti estigma do mundo! Em 2023, o lema é “Se precisar, peça ajuda!” e diversas ações já estão sendo desenvolvidas.

O setembro amarelo

O movimento Setembro Amarelo surgiu com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a prevenção do suicídio e promover a valorização da vida. A campanha teve início no Brasil em 2015, por iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

A escolha da cor amarela como símbolo do movimento se deve à relação com a cor da fita que representava o combate ao câncer, já que a ideia era utilizar uma cor associada à vida para abordar um tema tão sensível como o suicídio.

O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque, desde 2003, o dia 10 de setembro é reconhecido como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio (IASP) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Durante todo o mês de setembro, são realizadas diversas ações de conscientização, palestras, campanhas publicitárias e eventos para chamar a atenção para a importância da prevenção do suicídio.

O Setembro Amarelo busca quebrar o estigma em torno do tema, encorajar a discussão aberta sobre problemas de saúde mental e promover a busca de ajuda profissional quando necessário. A conscientização sobre o suicídio é fundamental para prevenir essa triste realidade que afeta muitas pessoas em todo o mundo.

Dados sobre suicídio

O suicídio é um importante problema de saúde pública, com impactos na sociedade como um todo. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde – OMS, todos os anos, mais pessoas morrem como resultado de suicídio do que HIV, malária ou câncer de mama – ou guerras e homicídios.

Entre os jovens de 15 a 29 anos, o suicídio foi a quarta causa e morte depois de acidentes no trânsito, tuberculose e violência interpessoal. Trata-se de um fenômeno complexo, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, sexos, culturas, classes sociais e idades.

Segundo dados da Secretaria de Vigilância em Saúde divulgado pelo Ministério da Saúde em setembro de 2022, entre 2016 e 2021 houve um aumento de 49,3% nas taxas de mortalidade de adolescentes de 15 a 19 anos, chegando a 6,6 por 100 mil, e de 45% entre adolescentes de 10 a 14 anos, chegando a 1,33 por 100 mil.

As taxas variam entre países, regiões e entre homens e mulheres. No Brasil, 12,6% por cada 100 mil homens em comparação com 5,4% por cada 100 mil mulheres, morrem devido ao suicídio. As taxas entre os homens são geralmente mais altas em países de alta renda (16,6% por 100 mil). Para as mulheres, as taxas de suicídio mais altas são encontradas em países de baixa-média renda (7,1% por 100 mil).

Em países da Europa, houve um declínio nas taxas de suicídio e observou-se um aumento dessas taxas em países do Leste Asiático, América Central e América do Sul.

Embora alguns países tenham colocado a prevenção do suicídio no topo de suas agendas, muitos permanecem não comprometidos. Atualmente, apenas 38 países são conhecidos por terem uma estratégia nacional de prevenção do suicídio.

O Centro de Valorização da Vida (CVV)

O CVV, ou Centro de Valorização da Vida, é uma organização brasileira sem fins lucrativos que atua na prevenção do suicídio e na promoção da saúde mental. Fundado em São Paulo em 1962, o CVV é uma das instituições mais antigas e respeitadas do país dedicadas a esse importante trabalho.

A principal atividade do CVV é o serviço de apoio emocional e prevenção do suicídio oferecido por meio de telefonemas, chat online, e-mail e atendimento pessoal em algumas cidades. Os voluntários do CVV são treinados para ouvir de forma empática e não julgadora, fornecendo apoio emocional a pessoas que estão passando por momentos difíceis, sentimentos de solidão, angústia, depressão e pensamentos suicidas.

O CVV também desempenha um papel fundamental na conscientização sobre a prevenção do suicídio, organizando campanhas, palestras e eventos durante o mês de setembro, que é o mês dedicado à campanha do Setembro Amarelo, como mencionei anteriormente. Além disso, a organização trabalha para desmistificar o assunto e combater o estigma em torno da saúde mental e do suicídio.

É importante destacar que o CVV é uma instituição voluntária e confidencial, onde as pessoas podem procurar ajuda de forma anônima e segura. Se você ou alguém que você conhece está passando por dificuldades emocionais ou pensamentos suicidas, o CVV é uma fonte de apoio importante. Você pode entrar em contato com o CVV por telefone ligando para 188 (disponível em todo o Brasil), acessar o chat online ou buscar mais informações no site oficial da organização. O CVV está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, e os atendimentos são realizados por voluntários treinados para oferecer suporte emocional.

Comentários (0)

Fale Conosco